EUA: Como se organizar para as férias na terra do Tio Sam

Eu confesso que Estados Unidos nunca bateu forte no meu coração e nunca foi o primeiro destino da minha lista de viagens, mas me surpreendi, adorei e já estou voltando! =)

Então, com o que aprendi na última viagem (dezembro/14 a janeiro/15), escrevo esse post para dividir com vocês como estou organizando a minha volta para a terrinha.

Empire State Building, Nova Iorque/EUA
Empire State Building, Nova Iorque/EUA

É claro que agora é tudo menos burocrático e mais “barato”, porque já tenho toda a documentação necessária que não tinha quando fui no ano passado (não vou me estender muito nesse assunto, porque existem vários sites e blogs sobre documentação, que inclui passaporte, visto etc.), então podemos pular.

Um item importante a considerar e a contabilizar nos gastos é a PID – Permissão Internacional para Dirigir. Caso pretenda alugar um carro por lá, é importante levar daqui a sua carteira de habilitação regular e pedir no Detran o documento internacional, que custa R$ 233,75 (ref. SP, dez/15) e pode ser solicitado aqui (para o Estado de São Paulo).

Bem, eu disse que íamos pular essa parte, rs. Então vamos em frente!

Com certeza o que mais tem nos assustado, pobres tupiniquins, é a situação econômica cruel que estamos vivendo, com o dólar nas alturas (na verdade, com o real lá embaixo) e com pouca grana entrando, mas, acreditem, é possível! =)

Assim como no ano passado, nos organizamos, minha irmã e eu, desde o começo do ano. Logo que chegamos ao Brasil, em janeiro, já decidimos que voltaríamos em dezembro de novo. Ainda que o cenário a longo prazo não fosse nada legal, ainda tínhamos dólar na casa de R$ 2,90 (bastante animador!), então metemos as caras e já começamos a monitorar passagens.

Antes de comprarmos os trechos, no entanto, compramos aquilo que seria a nossa motivação para o ano inteiro: inscrições para a corrida de 10k da Walt Disney World Marathon. Estávamos começando a correr e nada mais empolgante que conseguir participar de uma prova tão concorrida, né? Pois bem! Passamos a noite do dia 28 de abril em claro, esperando a abertura das inscrições, que esgotaram em pouco menos de 15 minutos. E adivinhem? Nós conseguimos! Vamos lá correr com o Mickey \o/

Aí, pra firmar mesmo a viagem, já na semana seguinte apareceu uma promoção no Submarino Viagens, com passagens por cerca de R$ 2 mil, ida e volta para Newark. Quase compramos, mas resolvi tentar diretamente na loja da companhia (United Airlines). E pasmem! Conseguimos preços ainda melhores (R$ 1.797,21, com taxas – e sem conexão em nenhum dos trechos). Eu não sabia que era possível comprar e parcelar (em até 5x no cartão, sem juros), diretamente com a companhia (na loja, por telefone ou no site), então foi um baita negócio, além de ser bem prático também. A vantagem é que diretamente com eles não têm as taxas dos intermediários como Submarino Viagens, Decolar.com etc. Fechamos com United e no dia 8 de maio já estávamos com os tickets emitidos.

Logo depois também resolvi procurá-los para fechar os trechos de Nova Iorque/Nova Jérsei para a Florida e, mesmo com a American Airlines dominando o aeroporto de Miami, conseguimos preços bem melhores pela United, saindo de Newark para Fort Lauderdale, que fica do ladinho de Miami, e com a volta de Orlando para Newark. Já viajamos de UA no ano passado, o serviço é ótimo e eles são bastante competitivos para vários destinos internos nos EUA.

Bem, com as passagens definidas, teríamos cerca de 8 meses para ir organizando todo o restante (hospedagem na Florida – porque em Nova Iorque temos a casa de uma prima querida –, tickets dos passeios, locação de carro, essas coisas).

Mas foi só em setembro que os motores começaram a esquentar mesmo e que definimos o roteiro certinho.

A única coisa que sabíamos até então é que dia 26 de dezembro estaríamos em Nova Iorque e que dia 8 de janeiro seria a nossa prova na Disney. Todo o restante ainda precisava nascer.

Outro momento importante a ser resolvido era o Ano Novo! Estávamos em dúvida sobre Miami Beach ou Fort Lauderdale (ano passado passamos em Nova Iorque, na Times Square, num frio delicioso de -10ºC, com sensação de -55ºC, rs). Optamos por passar em Lauderdale por dois motivos: o primeiro é que Miami Beach é fervida! Uma loucura, festas dia e noite, e nós já passamos um pouco da fase “night”. Quando viajamos damos prioridade ao dia. Além disso, estaremos a uma semana do grande dia (a corrida da Disney), então não podemos vacilar com bebida e extravagâncias. O segundo motivo bastante importante também foi a grana. Dei uma olhada nas festas de Réveillon em Miami e as mais baratinhas estavam na casa de 300 dólares por pessoa. Infelizmente não estamos podendo, né gente?! Aí juntamos o útil ao agradável e optamos por Fort Lauderdale, que também tem queima de fogos na passagem do ano, também tem praia, e dizem ainda que lá tem um público diferenciado, já que a cidade é considerada a Veneza norte-americana. Veremos, então.

Com o Ano Novo resolvido, nosso roteiro na Florida ficou assim:

  • 2 noites em Fort Lauderdale (contando a do Ano Novo)
  • 2 noites em Key West
  • 1 noite em Miami Beach
  • 4 noites em Orlando

Para as hospedagens, optamos por hostels em Fort Lauderdale, Key West e Miami Beach, e por hotel em Orlando.

Uma coisa que fizemos no ano passado, que deu bastante certo e vamos repetir agora, foi reservar e já pagar totalmente o hotel de Orlando por aqui. Nas duas vezes compramos o pacote de diárias pelo Submarino Viagens, com preços excelentes e já em reais, e ainda conseguimos parcelar sem juros. Isso é ótimo porque resolve a questão do câmbio que tem flutuado bastante, além de já aliviar as despesas que teremos no período da viagem. A gente paga bem antes, tem uma folguinha e depois é só alegria.

Com os hostels, no entanto, não foi possível fazer a mesma coisa, mas tudo bem porque nem é tão caro assim (se comparado a hotéis), mesmo sendo alta temporada e pegando a noite do dia 31 de dezembro que é cara em qualquer lugar do mundo (reservamos todos pelo Hostel World e pagamos os 10% da reserva antecipada, com o restante lá, em cash).

Também reservamos o carro para 7 dias na Florida, pela Hertz via Decolar.com, e já pagamos totalmente aqui (em R$ também). Isso é outra coisa que deu certo no ano passado e repetimos esse ano. Pegamos um Ford Focus por R$ 581,00 para os 7 dias, já com todos os encargos e proteção incluídos. No dia da reserva, consultei também o site da Hertz e estava 200 dólares para o mesmo período, ou seja, ia sair bem mais caro.

Outra coisa que já tentamos fazer por aqui, só que aí alternando entre sites brasileiros (de novo Decolar.com) e sites das próprias companhias lá fora, é a compra de tickets para os passeios. Isso também dá uma boa aliviada no orçamento durante a viagem, porque se você conseguir comprar (e pagar) com antecedência, vai ter uma folga por lá.

Nós já fechamos daqui um jogo de basquete (Miami Heat vs. Indiana Pacers) e também uma partida (daquelas!) de futebol americano (Nova Iorque Jets vs. New England Patriots). Ambos pelo resale do Ticketmaster. Essa é uma das coisas que se você está nos Estados Unidos você tem que ir. É tipo estar em Orlando e não ir a um parque da Disney ou Universal. No ano passado nós fomos ao Madison Square Garden assistir a uma partida dos Knicks. Foi simplesmente inesquecível! É caro, mas vale a pena. A minha irmã que estava um pouco resistente em ir, acabou se rendendo e ficou encantada!

Madison Square Garden com New York Knicks em quadra
Madison Square Garden com New York Knicks em quadra

Também já compramos duas atrações em Orlando (e imediações), que foi a entrada para o Disney Hollywood Studios, que não fomos no ano passado (Decolar.com), e o ingresso para o Kennedy Space Center, que é o complexo da NASA (no próprio site).

Uma coisa que é importante destacar: todas as compras feitas pelo Decolar.com ou Submarino Viagens, por exemplo, são sempre porque comparamos com as próprias empresas (tipo Disney, Hertz etc) e acaba sendo mais vantajoso comprar com o câmbio congelado aqui em determinadas situações.

Bem, isso tudo nós fizemos entre setembro e novembro, pra em dezembro já termos o nosso roteiro mais bem definido e, é claro, o nosso planejamento financeiro também.

Uma coisa que fez bastante falta no ano passado foi não termos comprado um chip americano para os telefones. Nós ficamos 22 dias por lá e eu optei por habilitar o meu roaming internacional (socorro!) em alguns dias, por R$ 29,00 por dia de uso, com uma banda limitada, problemas de conexão em determinados lugares, essas coisas.

É claro que em vários pontos tem wi-fi (nos parques em Orlando, nas lojas do Starbucks ou na Macys em Nova Iorque), mas tem horas que não dá pra depender disso. Da metade da viagem pra frente eu tive que contatar o escritório aqui no Brasil, pra resolver coisas de trabalho, então precisava ter conexão fácil quando precisasse. Passei uns perrengues com isso, admito!

Esse ano, portanto, resolvi fazer diferente (o que dá certo a gente repete, e o que não dá, a gente tenta melhorar, né?).

Depois de pesquisar nas operadoras de lá, entender como funcionam os planos “pay-as-you-go”, que são tipo os pré-pagos daqui, levantar a questão burocrática e o tempo envolvido pra comprar um chip lá, conheci, pelo Orlando é um Barato (que vale muito a pena visitar pra ler dicas incríveis de Orlando!), a Easy SIM 4U, que é um revendedor autorizado da T-Mobile, uma das operadoras de lá.

Antes de comprar, no entanto, dei uma pesquisadinha básica. Li alguns comentários de pessoas que compraram os chips deles e foi só elogios. Também acessei o Instagram e fiz algumas perguntas e o pessoal respondeu bem rápido (eles têm atendimento em português).

Outra coisa legal é que eles têm vários planos conforme o tempo da sua viagem, os serviços que você pretende usar etc. Eu, como de novo precisarei trabalhar um pouquinho depois dos primeiros 15 dias de viagem, optei pelo plano que tem minutos pra falar com o Brasil.

Comprei o chip num dia e já no dia seguinte recebi tudo certinho na minha casa. O prazo que eles dão é de até 7 dias úteis, mas como estou em São Paulo, capital, foi bem rápido. Se você não conseguir comprar com antecedência, eles também entregam nos EUA (cobrando uma taxinha extra).

Ainda não viajei, por isso não usei o pacote, mas por enquanto recomendo muito. Foi tudo bem rápido e o preço bastante vantajoso (tipo cerca de 3 dólares por dia). Depois eu conto como foi por lá!

Bem, falei de uma série de coisas que fomos resolvendo por aqui, mas acho que o mais importante para a organização vem agora.

Eu sempre vou colocando tudo em uma planilha simples de Excel (simples mesmo, gente! Eu sou do design, não da contabilidade, rs), mas resolve bastante.

Ela fica organizada por abas que separam as despesas por Transporte, Hospedagem, Alimentação, Passeios, Compras e Total Geral. É nessa última aba que também coloco a cotação média pra calcular tudo o que foi gasto em dólares e inserido na planilha. Se você digita um valor em dólar em qualquer uma das abas, por exemplo, ele converte para real conforme a cotação indicada na aba “Total Geral”.

Quem quiser a planilha, é só escrever para contato@viagi.blog.br que envio o modelo padrão! 😉

A parte boa de ser uma planilha simples e sem muitas fórmulas é que posso ir atualizando durante a viagem, pelo celular mesmo, e registrando despesas como alimentação e transporte.

Bem, agora que já temos tudo organizadinho, é só terminar de arrumar as malas e cair no mundo! Embarcamos dia 25 de dezembro e a nossa viagem seguirá até 16 de janeiro.

Quem quiser acompanhar a nossa viagem, é só curtir a fanpage do blog em https://www.facebook.com/blogviagi, que vou postando novidades por lá! 😉

EUA em dicas curtas e impressões da primeira viagem:

1 – Você vai passar dias tentando entender as moedas do país e provavelmente vai embora sem conseguir. Mas okay, porque ninguém é obrigado, né?

2 – EUA não é só hambúrguer, não. Mas você vai querer experimentar todos e vai se entupir de sanduíches (por sua própria escolha). E não vai se arrepender, porque lá estão os melhores do mundo (do mundo que eu já visitei, pelo menos).

3 – Em Nova Iorque, principalmente no inverno, Starbucks serve muito mais que café. Ele é um abrigo quentinho com wi-fi grátis. Muita vida e muito amor em cada esquina.

4 – São Paulo não é a Nova Iorque brasileira. E tá longe de ser! Posso estar enganada, mas não achei nadinha da Av. Paulista na Times Square ou na 5th Ave.

5 – Sim, o nova-iorquino é impaciente, estressado e quando não está olhando para o chão, está com os olhos grudados no celular. Fazer amigos por lá não é a coisa mais fácil do mundo.

6 – Se permita atravessar a ponte do Hudson River para o lado de lá. Nova Jérsei é uma delícia de lugar para quem não quer saber da muvuca de Nova Iorque.

7 – Viajar pelos estados norte-americanos em uma mesma viagem é como se você mudasse de país várias vezes. Eles são muito diferentes, pelo menos Nova Iorque/Nova Jérsei e Florida.

8 – Se existem ratos no metrô de Nova Iorque, eles estavam todos de férias. Andei por várias linhas (do metrô e do trem) e não vi um pra contar história.

9 – Diferente do que eu havia lido/escutado, não é em todo canto que se fala espanhol, não. Só em Miami.

10 – Nas estradas na Florida, não siga o GPS se ele disser “mantenha-se à esquerda”. Ele quer te ferrar.

11 – Tanques de gasolina não se enchem com litros e sim com galões (gallons). E é até fácil abastecer sozinho, mas só depois que você paga um mico básico lá na bomba.

12 – Miami não é o Paraguai norte-americano e é muito mais que muamba. Eu disse MUITO MAIS.

13 – Não pense que porque você é brasileiro, pode sair badernando como se fosse o rei da cocada. Baby Consuelo sabe que não. Mantenha-se na linha!

14 – Peça uma Jumbo Turkey Leg para um lanchinho nos parques de Orlando e passe um ano inteirinho sem querer sentir cheiro de peru.

15 – Leve lenços para a viagem. Você vai chorar, na ida ou na volta. Ou nos dois.

Anúncios

5 comentários sobre “EUA: Como se organizar para as férias na terra do Tio Sam

  1. Gi que D+!!!! Vc sabe que eu adoro suas fotos e já estou fazendo contagem regressiva pra sua volta a NY !!! Praticamente vc vai estar me levando junto na sua mala de novo kkkkkkkkkk Gi muitas fotos please! Vou acompanhar tudo pelo face…Vc tem snapchat? Se tiver passa ai que quero ver tudo. Boa viagem!!! bjoooo

    Curtido por 1 pessoa

    1. Lanlan, que legal ler isso. Você faz parte das nossas viagens mesmo. Acabei de comentar isso com a Cristina. Como é gostoso esse carinho. Não tenho snap, mas vou postando tudo na fanpage do blog, no meu Face, no Insta, em tudo, rs. Beijos!

      Curtir

      1. Eu curto demais as suas viagens e essa da Flórida tenho certeza que vou amar. Me identifico com as coisas que vcs fazem ( menos a maratona) 😂, mas acho que vcs passam sentimento até nas fotos. Aquele vídeo do central park foi inesquecível!

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s